Solenidade da Sagrada Família

Homilia Sagrada Família

Alguns dias após a grande solenidade do Natal do Senhor, a Igreja faz-nos contemplar um detalhe que talvez possa ter passado despercebido e que merece a nossa atenção: Deus quis ter uma família e na sua família santificou todas as outras. É na Família de Nazaré que encontramos o modelo e o exemplo para ser família. 

Não haveria maneira melhor de celebrar esta festa senão poucos dias depois do Natal, pois é neste tempo que geralmente as famílias se reúnem e se confraternizam. E os textos bíblicos nos apresentam recados para todo mundo: para os pais, para os filhos, para os avós… 

Hoje somos recordados que a história de Jesus começa numa família, para mostrar-nos como é importante esta instituição. E por que a família de Jesus é chamada de “sagrada”? Porque cada um nela soube viver a sua missão  cumprindo sempre a vontade de Deus.  

Hoje ouvimos um alerta! Na mesma medida em que a família é destruída, destruída também será a nossa sociedade. As nossas famílias vivem tempos difíceis, de constantes ataques e perigos: a cultura divorcista, o incentivo às uniões ilegítimas, a perversa ideologia de gênero, a propaganda abortista, e quantos outros males que atacam o precioso tesouro que é a instituição familiar. Sem a família, a vida humana se vê ameaçada!

a) Santidade do matrimônio

Somente quem ama de verdade pode dizer ao outro um “sim” por toda a vida. Infelizmente diminui a cada dia o número daqueles que se casam na Igreja ou que perseveram na aliança matrimonial. Sinais de que a falta de amor está aumentando.

Como vivemos numa sociedade com uma cultura de que tudo é descartável muitos casais acham melhor estabelecer apenas um vínculo de experiência, passam a viver juntos,  e se algo der errado cada um volta pra sua casas. Quantos que desistem na primeira dificuldade. Como se faz com os produtos que compram na internet: se não gostou, devolve

Os filhos precisam aprender o verdadeiro sentido do amor através do relacionamento dos seus pais. Quanto mal faz para as crianças e aos jovens a falta de testemunho de verdadeiro amor matrimonial. 

b) Responsabilidade dos pais

Uma atitude assustadora tem se tornado cada vez mais comum em nossa sociedade: os pais que deixam de cumprir a sua missão. Geralmente transferem a sua responsabilidade para o governo, através das escolas, na quais cresce uma cultura profundamente anti-cristã e pior, anti-natural, quando não a transfere à tv e aos canais da internet. 

Na família é preciso encontrar tempo para se dedicar uns aos outros. Principalmente o tempo dos pais para os filhos. Aos pais é confiada a importante missão de ensinar as verdades da fé aos seus filhos, e a incentivá-los no crescimento das virtudes. Os pais são os primeiros catequistas de uma família! 

“Na família, como numa igreja doméstica, devem os pais, pela palavra e pelo exemplo, ser para os filhos os primeiros arautos da fé e favorecer a vocação própria de cada um, especialmente a vocação sagrada”.

Lumen Gentium, n. 11

Ensinar a fé aos filhos, levá-los à Missa, ensinar as virtudes através de palavras e exemplos, são algumas das várias tarefas dos pais, que vão muito além de apenas o sustento material da família.

c) Os deveres dos filhos 

É importante hoje recordar aquele mandamento que nos ensina a honrar pai e mãe. Os deveres para com os nossos pais podem ser resumidos no respeito, na obediência e no cuidado.

Aos jovens e às crianças exportamos às obediência filial e o respeito que ajudará não só a andar no caminho do bem, mas também a crescer em santidade; aos adultos lembramos da importância do cuidado e do carinho para com os pais idosos. Um ato de caridade não é esquecido nunca, imagine um ato de amor aos pais na sua velhice?

Para concluir, São Paulo nos exorta na epístola a cultivar as virtudes da mansidão e do perdão, principalmente no ambiente familiar. Quantas famílias não seriam destruídas se todos aprendessem a necessidade do perdão fazer parte do dia a dia de uma casa. 

À Sagrada Família hoje consagramos todas as famílias do mundo, para que encontrem naquele sagrado lar de Jesus o exemplo e a intercessão. 

Jesus, Maria e José, abençoai nossas famílias! 

(Pe. Anderson Santana Cunha)


TEXTOS PARA MEDITAÇÃO

A missão dos pais segundo um papa 

Disse o Papa Paulo VI numa catequese:  «Mães, ensinais aos vossos filhos as orações do cristão? Em consonância com os Sacerdotes, preparais os vossos filhos para os sacramentos da primeira idade: confissão, comunhão, crisma? Habituai-los, quando enfermos, a pensar em Cristo que sofre? a invocar o auxílio de Nossa Senhora e dos Santos? Rezais o terço em família? E vós, Pais, sabeis rezar com os vossos filhos, com toda a comunidade doméstica, pelo menos algumas vezes? O vosso exemplo, na retidão do pensamento e da ação, sufragada com alguma oração comum, tem o valor de uma lição de vida, tem o valor de um ato de culto de mérito particular; levais assim a paz às paredes domésticas: “Pax huic domui!”. Recordai: deste modo construís a Igreja!» (Discurso na Audiência geral, 11 de Agosto de 1976)